EXCLUSIVO: Câmera 5 faz acordo milionário em ação trabalhista 

21/02/2020
Elais Abrão. Reprodução/Internet
Elais Abrão. Reprodução/Internet

Acordo foi feito em Agosto de 2019

O FeFala, que está acompanhando as últimas notícias envolvendo a produtora "Câmera 5", pertencente a Elias e Sônia Abrão, verificou que sua 'má fase', pode ser por conta dos não pagamentos repassados pela empresa Rede TV (como temos lido por aí) e também por conta de um processo movido por Antônio Teixeira de Castro Filho, em uma ação trabalhista contra a "Câmera 5", Elias Abrão e sua irmã, Margareth Abrão.

O acordo feito em 22 de agosto de 2019, do processo de número 0000029-27.2014.5.02.0051 , totalizam um valor líquido de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais).

A juíza do trabalho, Dra. Patrícia Esteves da Silva, homologou o acordo da seguinte forma:

CONCLUSÃO

Nesta data faço os presentes autos conclusos a (o) MM Juíza (o) do Trabalho.

SÃO PAULO, 22 de Agosto de 2019.

ELIZABETH CRISTINA SANTAMARIA DA SILVA

"Homologo o acordo apresentado pelas partes (IDs fc694ac e 8ccec1e), no valor líquido de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais), para que surtam seus legais e jurídicos efeitos, nos seus estritos termos.

Não há que se falar em discriminação das verbas uma vez que a natureza das mesmas já foi definida na Sentença de mérito transitada em julgado, cabendo à reclamada comprovar, no prazo de 30 dias após o pagamento da última parcela do acordo, os recolhimentos previdenciários incidentes, sob pena de execução. Para apuração dos recolhimentos, tratando-se de processo em fase de execução, deverá ser observada a proporcionalidade das verbas descritas no cálculo homologado.

Custas já recolhidas quando da interposição do Recurso Ordinário. Cada parte arcará com os honorários advocatícios de seu patrono. Após o integral cumprimento do acordo, a reclamante conferirá total quitação quanto objeto da presente ação e do extinto contrato de trabalho, para nada mais reclamar, a que título for.

Se adimplido integralmente o acordo e não havendo eventuais pendências legais, soergam-se eventuais penhoras e arrestos existes e arquivem-se os autos.

Intimem-se o INSS."

São Paulo, 22 de agosto de 2019

JUÍZA DO TRABALHO

Assinatura

SÃO PAULO,22 de Agosto de 2019

PATRICIA ESTEVES DA SILVA

Juiz (a) do Trabalho Titular

Obs: O FeFala copiou e colou a conclusão judicial. 

Procuramos Elias Abrão para se pronunciar sobre o caso, e o mesmo nos respondeu o seguinte via Whatsapp:

"Vai (sic) à merda."

Foto: Arquivo FeFala
Foto: Arquivo FeFala