EXCLUSIVO: 'Jornalistas' usam aplicativo de espionagem para conseguir saber da vida dos famosos

Reprodução/Internet
Reprodução/Internet

O FeFala já denunciou alguns 'jornalistas' à polícia que usam esse método considerado crime

É meu povo, acreditem se quiser! Eu, Fernanda Alves, editora deste site, fiquei surpresa ao descobrir que meu celular e de mais alguns colegas, estava sendo espionado por criminosos.

Sim! 'Jornalistas' que não tem credibilidade, tampouco estruturas e ferramentas para ao menos apurar e/ou conseguir notas exclusivas dos famosos, resolveram aderir um aplicativo de espionagem chamado 'mSpy' para chamar atenção dos seus seguidores/leitores e mostrar que estão 'à frente' nas fofocas dos famosos, além de copiar contados de jornalistas renomados e conversas de WhatsApp.

O aplicativo 'mSpy' é um aplicativo criado com a função de 'ajudar' os pais a monitorar tudo que seus filhos acessam e recebem em dispositivos móveis. A plataforma foi criada em 2011 para sistemas operacionais iOS e Android, como iPhone e celulares com sistema do Google, por exemplo. Atualmente, ela atende mais de 1 milhão de usuários cadastrados no mundo. Além disso, também foi incorporada por empresas que desejam seguir as ações de seus colaboradores nos celulares e tablets corporativos. O FeFala considera esse aplicativo um crime e vamos tomar todas às medidas cabíveis na justiça brasileira, decorrente aos 'usuários' que nele se encontram.

Ao baixar o 'mSpy', é preciso confirmar a intenção de usar esse serviço legalmente, ou seja, as informações coletadas não podem ser repassadas a terceiros. Porém, qualquer pessoa pode baixar este, alegar uso legal e usar de maneira criminal.

Resumindo: o que esses 'jornalistas' estão fazendo, é considerado crime e deverão pagar por isso.

Veja 'fotos' que sumiram do meu celular:

Prints comprometedores sumiram da 'galeria' do meu celular. Arquivo pessoal
Prints comprometedores sumiram da 'galeria' do meu celular. Arquivo pessoal